Que coisa é o TEMPO?

Para os comerciantes o tempo é dinheiro; para os aborrecidos, o tempo é um fardo. Mas para a monja Clarissa, o tempo é um precioso Dom de Deus, que Lhe devemos devolver com os juros de amor, oração e louvor.
Ainda que os relógios do Mosteiro batam as horas em uníssono com os outros relógios do mundo, na realidade eles marcam muito mais do que minutos e horas. Pois apontam um caminho de louvor que se eleva até o Trono de Deus, assinalados desde já com o selo da eternidade.
O que, porém, é essa realidade terrena do “aqui e agora” que denominamos DIAS, para uma filha de Santa Clara? Ou, como já muitos parentes e amigos têm perguntado: “que fazem vocês aí o dia todo?” A resposta está contida nos Salmos que nós rezamos!

“Em alta noite eu me levanto e Vos dou graças!” (Sl 118)

Durante o silêncio da noite, fazemos vigília de adoração. Como sentinelas nos revezamos em espírito de oração e desagravo.

“Considero-te auxiliar do próprio Deus e sustentáculo dos membros vacilantes de seu corpo inefável.” (Sta. Clara)

O sino soa às 04:40 h, chamando-nos ao coro para o OFÍCIO DE LEITURAS e de LAUDES, quando, mais uma vez, ouvimos o grito do salmista: “Vou louvar-Vos Senhor..., eu irei acordar a aurora!” (Sl 56)

Uma hora de meditação precede a Santa Missa das 07:00 h, auge espiritual do dia monástico.

“Feliz decerto és tu que podes participar deste banquete sagrado para unir-te com todas as fibras do coração Áquele que é o esplendor da glória.” (Sta Clara)

“Que poderei retribuir ao Senhor Deus por tudo aquilo que Ele fez em meu favor? Oferto um sacrifício de louvor, invocando o Nome Santo do Senhor!” (Sl 115)

Às 08:00 h, invocamos a bênção do Espírito Santo sobre a Igreja inteira, durante o Ofício de TERÇA.

“Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado!” (Sl 103)
“Que tua vida seja um louvor ao Senhor.” (Sta Clara)

Começamos então, as variadas atividades da manhã, que se referem aos cuidados com a casa de Deus e da Comunidade, dos jardins e da horta, do preparo da alimentação, da confecção de hóstias, artesanato e lavagem de roupa, tudo entrelaçado com o tempo de adoração Eucarística. Cada Irmã, individualmente tem seu tempo para a adoração ao Santíssimo. Todas as Irmãs, sempre com o coração voltado para o Senhor, pedem em oração: “ Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho. Fazei dar frutos o labor de nossas mãos!” (Sl 89)

“As Irmãs que têm a graça de trabalhar, trabalhem com espírito de devoção.” (Sta.Clara)
“Senhor, é a Vossa Face que eu procuro!” (Sl 27)


A voz do sino chama-nos para as orações do meio-dia e o Ofício de SEXTA. Depois, dirigimo-nos em procissão para o Refeitório, onde tomamos nossa refeição principal, acompanhada de leitura espiritual.

“Dai graças ao Senhor porque Ele é bom: o Seu amor se estende pelos séculos!” (Sl 118)
“Entrega fielmente a Deus o que prometeste e Ele retribuirá.” (Sta. Clara)


Após o almoço, os serviços domésticos e o tempo livre para um pequeno descanso e estudos. Em seguida canta-se a Hora NONA.

“Em alta voz, suplico ao Senhor!” (Sl 142)

Os trabalhos da tarde de nosso coração (oração e adoração) e de nossas mãos (costura, jardinagem, datilografia, artesanato, hóstias, velas, para mencionar só alguns), são colocados nas mãos do Senhor, até tocar o sino para se rezar, às 16:30 h, o Rosário, seguido do Ofício de VÉSPERAS e da Oração pessoal.

“Ora e vigia sempre, completa apaixonadamente a obra que começaste”(Sta Clara)
“Minha oração suba a Vós como incenso e minhas mãos como oferta da tarde!” (Sl 141)


Ao toque do Angelus, às 18 h, a Oração das Ave-Marias, e a refeição simples é seguida, após o serviço doméstico, pelo tempo de Recreação, quando no Mosteiro ecoam as risadas da partilha fraterna, a alegria de sermos “um só coração e uma só alma.”

“Vinde e vede como é bom, como é suave, os irmãos viverem juntos, bem unidos!” (Sl 131)
“Oremos mutuamente a Deus, pois assim uma carregará o peso da outra e vamos cumprir com facilidade a lei de Cristo.” (Sta. Clara)


As conversas silenciam quando às 20:30 h, o sino anuncia as últimas orações da noite e a recitação do Ofício de COMPLETAS.

Após o canto da antífona de Nossa Senhora, iniciamos o tempo de grande silêncio, que envolve o Mosteiro todo. Devolvemos, assim, a Deus, o dia que Ele nos concedeu e repousamos conscientes de que: “a seus amados, Deus concede até enquanto dormem!” (Sl 126)

Mas, a oração continua, pela adoração individual, quando o Santíssimo permanece exposto na Capelinha interna e as Irmãs se revezam a cada hora, para perpetuar a adoração a Deus.
Porém, não tardará a ressoar o sino... Voz de Deus... ecoando pelos corredores do Mosteiro:
“Eis o Esposo! Ide ao seu encontro! E as virgens levantaram-se todas e prepararam suas lâmpadas!” (Mt 25,6)

E com isso começa mais um dia para a Irmã Clarissa!

“Eu me alegro de verdade, e ninguém vai poder roubar-me esta alegria, porque já alcancei o que desejava abaixo do céu!” (Sta Clara)

Copyright © 2007
Mosteiro de Nossa Senhora dos Anjos
Irmãs Clarissas.